СНПЧ А7 Омск, обзоры принтеров и МФУ

 

 

 

Roteiro do conteúdo:

 

  1. A liberdade e a sua necessidade

  2. A questão prática

  3. Criticas a teoria de liberdade de Sartre

 

Metodologia do trabalho:

 

Explicitação dos dois primeiros tópicos e abertura para debate do terceiro tópico. Texto didático explicativo dos módulos.

 

Avaliação:

 

Participação no debate aberto no terceiro tópico.

 

Bibliografia:

 

COX, Gary. Compreender Sartre. Trad. Hélio Magri Filho. Petrópolis: Vozes, 2007.

 

MOUTINHO, Luiz Damon S.. Sartre: Existencialismo e liberdade. São Paulo: Moderna, 1995.

 

SATRE, Jean-Paul. O Ser e o Nada: Ensaio de ontologia Fenomenológica. Trad. Paulo Perdigão. Petrópolis: Vozes, 2008.

 

 

 

I - A liberdade e a sua necessidade

 

  • Discussão entre partidários do determinismo e do livre-arbítrio.

  • O livre-arbítrio é uma característica do ser-para-si.

  • Uma ação livre requer um certo grau de coerência. O livre-arbítrio e o determinismo são os aspectos internamente relacionados de uma síntese original.

  • O para-si nunca é idêntico ao si, ele sempre se projeta além do si em direção ao futuro.

  • O futuro e o passado estão internamente ligados, são dependentes um do outro.

  • O ser do ser-para-si é contingente, mas considerando que ele existe, é absolutamente necessário que seja livre.

  • O que é livre e o que não é livre estão internamente relacionados.

  • A ação do para-se é sempre uma luta para superar a facticidade.

  • O passado é o em-si que sou, mas este em-si como superado.

  • O futuro não tem realidade.

 

II - A questão prática

 

  • A intenção diferencia ação de ato acidental.

  • A escolha fundamental tem de ser continuamente afirmada ou negada, ou ainda possivelmente abandonada por conta de uma escolha alternativa fundamental.

  • Escolha por falta.

  • O para-si não é fundamento de si.

  • Uma situação é sempre uma situação para um para-si e uma situação de um

 

para-si.

 

III – Criticas a teoria de liberdade de Sartre

 

  • Liberdade como essência formal abstrata.

  • Liberdade como algo ilimitado.

  • Criticas de Merleau-Ponty.

 



 

  • Ser-para-si: Não possui essência, basicamente é o ser humano. Possui consciência de si e do mundo.

  • Ser-em-si: objetos que possuam uma essência definida.

  • Facticidade: É o coeficiente de adversidade das coisas.