Kant, neste texto nos apresenta os aspectos centrais para a compreensão da Educação. Logo de início, ele deixa bem claro que, o homem é a única criatura que deve ser educado e que a educação deve ser entendida como constituinte de três aspectos fundamentais: cuidados, disciplina e a instrução. E sob este triplo aspecto ele é recém-nascido, aluno e escolar.

 

Por cuidados entende a alimentação e as diversões, isto é, são as preocupações que são tomadas pelos pais para que os filhos não façam mal uso de suas forças.

 

A disciplina tem como tarefa fundamental transformar a animalidade em humanidade. Ela impede que o homem se desvie de seu objetivo, ela freia os impulsos animais e impõe a ele as leis da humanidade. De certa forma, ela faz com que o homem não faça o mau uso de sua razão. Para que isso não aconteça, as crianças são mandadas à escola com a intenção de que elas se habituem a ficar sentadas, comportadas, e a obedecer ao que lhe é imposto, de maneira que não possam colocar em execução suas idéias, pois segundo Kant, o homem tem por natureza, uma tendência à liberdade que se ele começa habituar a ela, ele lhe sacrifica tudo e por isso é preciso que desde cedo recorre-se a disciplina.

 

A instrução está contida no conceito de cultura, e por cultura compreende-se a disciplina e a instrução. Kant restringe a instrução apenas aos homens e aos pássaros, pois eles precisam aprender a comer, andar, cantar, etc.

 

Diante dessas informações chega-se a conclusão: O homem pode-se tornar homem pela educação. Ele é apenas o que a educação faz dele. Kant chama atenção ao fato de que o homem que não é culto, é bruto e aquele que não é disciplinado, é selvagem. Outro fato que ele chama atenção é em relação à educação como algo que está sempre se aperfeiçoando, ela se aprimora a cada geração.

 

Segundo Kant, na educação o homem deve então:

 

1º ser disciplinado. Disciplina é procurar impedir que a animalidade não seja a perda da humanidade, ou seja, resume-se em domar a selvageria

 

2ª deve ser culto. Cultura compreende a instrução e os diversos ensinamentos. Ela dá habilidade.

 

3º deve ser prudente. Que se adapte a sociedade humana, que seja amado, que tenha influência. É aí que se pode incluir uma, certa forma de cultura, que se chama de civilização.

 

4º deve-se cuidar da moralização. O homem não deve estar simplesmente apto para todos os fins; deve adquirir uma disposição para escolher os fins bons.

 

 

 

 

 

 

 

Apresentação dos grupos

 

Piaget: Sabedoria e ilusões da filosofia

 

Piaget faz uma crítica a Filosofia, afirmando que ela tinha um duplo alvo: o conhecimento e o da coordenação dos valores. Afirma que a essência da filosofia é a pesquisa da verdade e não sua posse, fazer filosofia é estar em caminho. Em Filosofia não há unanimidade estabelecendo um saber definitivo, contrariamente às ciências, a filosofia sob todas as suas formas deve abster-se do consenso unânime.

 

Nos apresenta 3 maneiras: 1ª a pré-crítica, onde a filosofia atinge um conhecimento integral e coordena assim diretamente os valores morais, conhecimento particulares ou científicos; 2ª crítica kantiana, o conhecimento filosófico consiste em determinar os limites de todo o conhecimento e fornecer uma teoria do conhecimento científico, o estabelecimento de seus limites deixando o campo livre à coordenação dos valores; 3ª grupo de soluções, apresenta 2 tendências 1ª dissociação de certos ramos da filosofia promovidos à categoria de disciplinas autônomas como: psicologia, sociologia, etc. 2ª coordenação dos valores fundada em reflexão organizada que procede pelo exame crítico da ciência pela pesquisa.

 

 

 

 

 

Deleuze: O que é a filosofia?

 

O grupo apresentou os aspetos principais do texto de Deleuze, O que é a filosofia? Como por exemplo: filosofia como criação de conceitos; como se dá os projetos criação de conceitos; planos de imanência. Também abordou suas críticas, mostrando que filosofia não é comunicação, pois comunicação trabalha com opiniões para criar o consenso e não conceito; não é reflexão, pois ninguém precisa de filosofia para refletir sobre o que quer que seja não é contemplação, pois as contemplações são as coisas elas mesmas enquanto vistas na criação de seus próprios conceitos. Mas o que é a Filosofia?

 

A invenção ou a produção dos conceitos remete-se a instauração de um plano de imanência que é caracterizado como pré-filosófico.

 

A filosofia é a arte de formar, de inventar, de fabricar conceitos, ela não é somente isso, é também a disciplina que consiste em criar conceitos. Os conceitos têm necessidade de personagens conceituais que contribuem para sua definição.

 

Essas foram alguma das questões levantadas por Deleuze e muito exploradas pelo grupo.

 

 

 

 

 

 

 

Schopenhauer: Sobre a filosofia universitária

 

O grupo explorou a crítica apresentada por Schopenhauer, ao ensino universitário. Abordando questões fundamentais: o que é um texto filosófico? Qual o papel do filósofo? Qual a tarefa do Estado? O que o professor deve ensinar? O que é filosofia verdadeira? O que deve ser estudado nas universidades? Além das relações, Estado - Universidade; Religião – Filosofia.