СНПЧ А7 Омск, обзоры принтеров и МФУ

 

Parte I: Contexto histórico-pedagógico

Predecessores
Rousseau (em Emílio; caracteriza a educação como uma preparação para a vida, não simplesmente formação intelectual)

Se opõe a
educação tradicional, intelectualista (imprópria, do ponto de vista filosófico, por ser dualista, e do político, por ser anti-democrática)
 tecnicismo (disassociação do ensino e da vida)

contribuições
    
    teoria educacional:
Ensino para sociedade democrática
[Tem como objetivo a formação de indivíduos críticos, capazes de compreender as normas sociais]
naturalismo educacional
[a educação deve desenvolver as capacidades naturais do homem; não deve ser simples transmissão de conhecimento externo, mas desenvolvimentos externo]
importância da comunicação
individualidade dos homens como organismos
[homens se adaptam ao ambiente social e biológico, por meio do aprendizado]

metodologia:
autonomia dos alunos
integração com a vida extra-escolar
 
técnicas:

 

influência na escola brasileira

    Implementação
    Adaptação
    Distorções
    Dificuldades de adoção

Legado e críticas

    Principais metodologias de ensino e correntes pedagógicas influenciadas
    Principais críticas posteriores
construtivismo

 

Parte II: Dewey e sua concepção de Filosofia

 

Notas sobre Filosofia da educação (capítulo 24 de Democracia e educação) – Dewey

 

 

 

1. Revisão crítica

 

Necessidade de definição do que vem a ser filosofia, já que se conceito estava implícito em todo o livro.

 

Recapitulação dos temas abordados pelo livro até então.

 

- (primeiros capítulos) Importância da continuidade da existência, da manutenção, da conservação, da perpetuação da existência. Isto não se dá através da mera reprodução de costumes estabelecidos. A educação é desde já apresentada como fundamental para a existência de uma sociedade democrática. Só se pode perpetuar uma sociedade nestes moldes através da educação.

 

- (capítulos VI-VII) O critério democrático está diretamente atrelado a noção de reconstrução ou reorganização da experiência.

 

- (capítulos XIII-XIV) O método de aprender e estudar é o movimento conscientemente dirigido para a reorganização da matéria da experiência.

 

- (caps. XVIII-XXIII) A experiência consiste:“em uma variedade de domínios ou interesses segregados uns dos outros, tendo cada um seu valor, seu material e seu método independentes e próprios, em colisão uns com os outros, sendo que, quando cada um é mantido convenientemente limitado pelos demais, forma uma espécie de ‘equilíbrio de poderes’ na educação” (pág.355).

 

-“ponto de vista prático”... dualismos ou antíteses: trabalho/lazer; homem/natureza; atividade prática/atividade intelectual; individualidade/associação; cultura/vocação. É preciso uma filosofia que resolva esses dualismos (problemas). Dewey aponta para uma “filosofia que reconhecesse a origem, o papel e função do espírito em uma atividade que influencia e dirige o ambiente” (pág.356).

 

2. A natureza da filosofia

 

-Os problemas de que trata a filosofia: problemas oriundos dos conflitos e dificuldades da vida social.

 

- No que se refere à matéria (conteúdo), a filosofia é uma tentativa para reunir as várias particularidades do mundo e da vida em um todo único que seja uma unidade. A noção de compreensão (compreender, abarcar) está diretamente envolvida. Esforço para obter uma visão da experiência o mais unificada, coerente e completa possível (pág. 357). A filosofia como modo de vida (não chega a ser propriamente a visão de Dewey): “direção da vida”, “modos de viver organizados” (escolas filosóficas antigas), “modos distintos de proceder”.

 

- FILSOFIA X CIÊNCIA: filosofia como modo de vida a diferencia da ciência. Quando a ciência se propõe a influir na conduta e na atitude dos indivíduos então ela passa a ser filosofia. “atitude para com o mundo”... “Às ciências é que compete dizer quais as generalizações admissíveis sobre o mundo e quais, especificamente, são elas. Mas quando perguntamos que espécie de atitude permanente ativa para com o mundo as relações científicas exigem de nós, estamos a formular uma questão filosófica.”

 

 (Distinção entre filosofia e espiritualidade de Foucault – Hermenêutica do Sujeito).

 

- A questão não é acúmulo de conhecimentos: “acumulação quantitativa”. Totalidade não se liga a acumulação, mas a coerência de um modo de reagir em face da pluralidade das coisas que acontecem. “atitude filosófica”

 

- Distinção entre pensamento e conhecimento: ato de pensar e conhecimento. Toda filosofia é hipotética, todo ato de pensar é hipotético. “Filosofia é pensar o que aquilo que é conhecido requer de nossa parte – qual a atitude de co-respondência que ele exige.” (pág. 359) quase definição de filosofia: “o pensamento que se tornou consciente de si mesmo – que generalizou seu lugar, função e valor na experiência.” (pág. 359)

 

- Exigência de uma atitude “total” por causa da necessidade de integrar na ação os vários interesses em conflito da vida. Dos conflitos surge a necessidade de conciliação. Na verdade de compreensão: divergências harmonizadas, restauração da compatibilidade ou continuidade da experiência.

 

-Objeções contra a filosofia: importância em demasia das especulações individuais; diversidade de soluções; sempre os mesmos problemas formulados diferentemente sem encontrar solução. Objeções na verdade aplicáveis à natureza humana e ao mundo.

 

- A filosofia desenvolvida por determinado grupo social nunca será igual a de um outro grupo social (fim da pg. 360 e início da 361.)

 

- Experiências divergentes -> tipos de vida divergentes -> escala de valores divergentes. Semelhança entre um problema e outro é apenas aparente. “velhas divergências” – “novas dificuldades contemporâneas”.

 

FILOSOFIA E EDUCAÇÃO (relação íntima entre filosofia e educação)

 

- Filosofia: classe especializada, linguagem técnica. Crítica à ideia de estudar a filosofia por si mesma. A educação é um terreno vantajoso para se penetrar na significação humana das discussões filosóficas.

 

TEORIA E PRÁTICA: teoria tem que influenciar na atividade educativa. A educação é o espaço no qual as questões filosóficas podem fazer diferença na prática. (o educativo é da ordem do que modifica a atitude mental e moral... adolescentes como melhor e mais livre campo de atuação

 

FILOSOFIA: a teoria geral da educação. EDUCAÇÃO: “o processo de formar atitudes fundamentais, de natureza intelectual e sentimental, perante a natureza e os outros homens” (pág. 362)

 

CIÊNCIA e SOCIEDADE

 

Ciência, interessada na realização dos interesses da sociedade.

 

A DUPLA TAREFA DA FILOSOFIA: criticar e interpretar

 

criticar os objetivos existentes com relação ao estado atual da ciência, indicando os valores que se tornaram obsoletos em vista dos novos recursos diponiveis e quais os que são meramente sentimentais por não constituírem meios para a realização daqueles objetivos” e “interpretar os resultados da ciência especializada, em seu alcance sobre os futuros empreendimentos sociais”

 

Realização desta dupla tarefa através das artes educativas: criação de métodos... Educação como laboratório para a filosofia: “A educação é o laboratório onde as distinções filosóficas são concretizadas e postas à prova.” (pág. 363)

 

De volta às origens da Filosofia: sofistas, ensino, professores... etc. questões educacionais. Relações entre o universal e o individual... O que é aprender?

 

Aprendizado: transição da ignorância para o conhecimento (conseguir conhecer).

 

De novo o problema da teoria e da prática: razão e ação.

 

Educação e preocupação moral. Nação, pátria

 

FILOSOFIA DA EDUCAÇÃO: formulação explícita dos problemas da formação de uma mentalidade reta e de bons hábitos morais, tendo-se em vista as dificuldades da visa social contemporânea.

 

Filosofia: teoria da educação em seus aspectos mais gerais

 

Educação: a prática da filosofia.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Referências

 

DEWEY, John. Filosofia da educação. In: Democracia e educação: introdução à filosofia da educação. Trad. de Godofredo Rangel & Anísio Teixeira. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 3ª ed., 1959.

 

http://plato.stanford.edu/entries/education-philosophy/
http://www.gutenberg.org/catalog/world/readfile?fk_files=768523&pageno=1
http://www.gutenberg.org/catalog/world/readfile?fk_files=851462