Objetivo geral: mostrar que o ceticismo se caracteriza por uma atitude que repele os dogmas e busca demonstrar a inconsistência de qualquer afirmação.

 

 

 

Tópicos:

 

 

 

  • O caráter relativo das opiniões;

  • A necessidade de uma regressão ao infinito para encontrar-se o primeiro princípio, no qual todos os outros se sustentam;

  • O caráter relativo das percepções;

  • Toda demonstração se funda em princípios que não se demonstram, mas se admitem por convenção;

  • Demonstrar algo supõe no homem a faculdade de demonstrar e a validade da demonstração.

 

  

 

 

 

Problematização:

 

 

 

1. Quando e como surgiu o ceticismo antigo?

 

 

 

2. O  ceticismo é uma forma de indiferença?

 

 

 

3. Quem foi o precursor do ceticismo antigo?

 

 

 

4. É possível conhecer?

 

 

 

5. O que é a suspensão do juízo e quais são os passos até ele?

 

 

 

6. O que pensávamos ser o ceticismo e o que é realmente?

 

 

 

7. Qual é a relação entre sensibilidade e impossibilidade de se conhecer a verdade?

 

 

 

8. Disputa dialética entre o cético e quem pretende demonstrar a veracidade de uma teoria.

 

 

 

 

 

Os tropos de Agripa

 

 

 

1. O que são os Tropos de Agripa?

 

 

 

2. Quem foi Sexto Empírico?

 

 

 

Objetivo: Mostrar o argumento cético sobre como podemos ser enganados por nossos sentidos

 

 

 

  • As diferenças físicas

  • As diferenças dos corpos humanos

  • As diferenças dos sentidos

  • As diferenças de circunstâncias

  • As distâncias e localizações

  • A quantidade com que o objeto aparece

  • A relatividade

  • A raridade do objeto

  • O objeto relativo à ética

 

 

 

 

 

3.1. Ceticismo antigo x Ceticismo moderno

 

 

 

3.2. O que é empirismo?

 

 

 

Objetivo: Diferenciar o ceticismo antigo, ceticismo moderno e empirismo.

 

 

 

 

 

O ceticismo hoje

 

 

 

1. Como podemos utilizar o ceticismo a fim de nos tornarmos mais críticos?

 

 

 

2. Será que acreditamos em qualquer coisa?

 

 

 

3. O peso de um bom argumento?

 

 

 

Objetivo: Mostrar que devemos estar atentos a toda informação que nos é passada, fazendo uma reflexão sobre o que de fato é bom que aprendamos. Sendo assim, é proposta uma breve análise sobre a relevância de certas informações.

 

 

 

 

 

 

 

BIBLIOGRAFIA BÁSICA:

 

 

 

EMPIRICO, Sexto. “Hipotiposes pirrônicas”. Trad. Danilo Marcondes

 

 

 

LAÊRTIOS, Diógenes. “Vidas e doutrinas dos filósofos ilustres”. Tradução do grego, introdução e notas de Mário da Gama Kury, 2ª edição, Brasília, Editora da UnB, 2008.

 

 

 

OSWALDO, Porchat. "A Autocrítica da Razão no Mundo Antigo", in: W. Silva Filho (org.), O ceticismo e a possibilidade da filosofia. Ijuí, Editora Unijuí, 2005.

 

 

 

HUME, David. “Investigação sobre o entendimento humano”. Tradução de Leonel Vallandro, 1ª edição, São Paulo, Abril Cultural.