СНПЧ А7 Омск, обзоры принтеров и МФУ

Objetivo:

Fazer com que os alunos reflitam acerca das questões morais, baseado-se em duas fortes correntes, a teleológica aristotélica e a deontológica kantiana.

 

Tópicos:

1        – Introdução a ética teleológica de Aristóteles no livro Ética a Nicômaco.

1.1  – Ética teleológica é uma investigação sobre o sentido útil da vida.

1.2  – O Bem ou Sumo Bem.

1.3  – Virtude como Hábito ou Natural. Ética como disposição de caráter.

1.4  – Felicidade como vida virtuosa.

1.5  – Noções de Mediania e Sabedoria Prática.

 

2        – Introdução a Ética Deontológica de Kant no livro Fundamentação da Metafísica dos Costumes.

2.1  – O que devo fazer? O que a razão diz ser o correto?

2.2  – A razão, no ponto de vista prático não vislumbra a felicidade. Felicidade não é o centro da ética.

2.3  – Somente a Boa Vontade pode ser considerada boa sem limitação.

2.4  – A ética é determinada pela Lei Moral, que é algo inscrito na razão humana (giro antropocêntrico) que é exercida na razão prática.

2.5  – Imperativo Categórico: “Devo proceder sempre de maneira que eu possa querer também que a minha máxima se torne uma lei universal”. (p. 34)

 

 

Problematização:

1 - Por que temos que agir moralmente?

2 - Qual o fim último das ações humanas?

3        - Citar definições de virtude como mediania e sabedoria prática da segunda parte da Ética a Nicômaco e problematizar perguntando o que seria uma ação virtuosa na justa medida.

4        – Questionar a noção de que só sendo virtuoso é que se vive a boa vida, pois como saber se o homem durante a sua vida viveu bem?

5        – Por que devemos agir moralmente?

6        – Por que a felicidade não é um fim para Kant?( Mostrar que para Kant, agirmos moralmente não para chegarmos a felicidade, mas para sermos dignos dela).

7        – Mostrar que o conceito de dever contém em si o conceito de boa vontade. Problematizando a diferença de agir por dever (campo da verdadeira moral) e conforme o dever (agir por interesse, inclinação).

8        – Problematizar a questão da “falsa promessa” com o Imperativo Categórico.

 

3 – Confrontar as duas correntes.

3.1 – Identificar com os alunos as principais diferenças destas duas correntes filosóficas e os argumentos kantianos contra a teleologia aristotélica.

 

3.2 – Buscar a opinião dos alunos sobre essas noções e saber na visão deles qual destas seria a que corresponderia com o que eles acreditam ser a melhor.

 

 

Referencias bibliográficas:

Aristóteles – Ética a Nicômaco – Tradução: Leonel Vallandro e Gerd Bornheim, Coleção Os Pensadores – São Paulo – Editora Abril Cultural, 1984.

Kant, Immanuel – Fundamentação da Metafísica dos Costumes – Tradução Paulo Quintela – Lisboa – Edições 70, 2009.