Este trabalho oferece recursos para abordagem didática de temas de filosofia, de modo a promover a problematização em sala de aula, de assuntos concernentes ao ambiente do ensino médio. Apresentamos de modo delimitado, três tópicos específicos e problemas gerais correlatos, derivados do tema Felicidade (Eudaimonia) tratados na obra Ética a Nicomaco do proeminente autor da filosofia grega Aristóteles, embora cientes da fecundidade que uma tal obra sempre nos proporciona, e que excede sobremaneira o campo estrito desta nossa empreitada.

 

Tópicos: Bem supremo / Função do homem / Felicidade e amizade

 

Problematizações

Tópico um:

O bem supremo:

 

Se há um fim das nossas ações que queremos por ele mesmo, enquanto os outros os queremos só em vista daquele, e não desejamos nada em vista de outra coisa particular (assim, de fato, iríamos ao infinito, de modo que a nossa tendência seria vazia e inútil), é claro que esse deve ser o bem supremo”

 

 

 

Em que medida se pode entender felicidade como conceito ético?

 

Em que medida a felicidade pode ser alcançada?

E se for possível ser alcançada, ela pode ser completa em uma só atividade, uma vez que ela não se confunde com prazeres?

Tópico dois:

A função (ergon) do homem:

 

"Se dizer que a felicidade é o sumo bem parece algo sobre o qual se está de acordo, todavia sente-se necessidade de dizer ainda algo mais preciso sobre a sua natureza. Poderemos fazer isto sem dificuldade se examinarmos a função (ergon) do homem. [...] Se, pois, é assim, então o bem próprio do homem é a atividade da alma conforme a virtude.”

 

 

 

Em que sentido se distingue a função do homem da função dos demais seres que também se nutrem ou possuem sensibilidade?

 

Que implicações para a filosofia possui a afirmação de que a virtude pode ser ensinada?

Tópico três:

Felicidade e amizade:

 

Aristóteles no referido texto (EN) nos diz:

Se, na verdade, é próprio do amigo antes fazer o bem do que recebê-lo, e se é próprio do homem bom e da virtude beneficiar, e mais belo fazer o bem aos amigos do que aos estranhos, então o homem virtuoso terá necessidade de pessoas que recebam os benefícios. Por isso, busca-se amigos,[...] o homem é um ser político e naturalmente levado à vida em sociedade. [...] Por isso o homem feliz tem necessidade de amigos.”

 

 

 

É possível ser virtuoso ou bom sem ações virtuosas ou boas?

 

É possível ser virtuoso ou bom sem o exercício da amizade com relação aos outros?

 

 

 

 

 

Bibliografia:

 

REALE, Giovanni. História da filosofia grega e romana vol. IV. Tradução Henrique Cláudio de Lima Vaz e Marcelo Perine. Sâo Paulo-SP: Loyola, 2007.

 

CHAUÌ, Marilena. Introdução à historia da filosofia: dos pré-socráticos à Aristóteles. São Paulo: Companhia das letras, 2002.

 

MARCONDES, Danilo. Textos básicos de ética. Rio de Janeiro: Jorge Zahar,2007.