1- ARANHA, M. L. A. & MARTINS, M. H. P. Filosofando: introdução à filosofia. 3ª ed. Rev. atual. São Paulo: Moderna, 2003.

 

2- ASPIS, R. P. L. & GALLO, S. Ensinar Filosofia - um livro para professores. 1ª ed. São Paulo: Atta Mídia e Educação, 2009.

 

3- CAPISTRANO, Pablo. Simples Filosofia. Rio de Janeiro: Rocco, 2009.

 

4- CHAUÍ, Marilena. Introdução à história da Filosofia: Dos pré-socráticos a Aristóteles. São Paulo: Companhia das Letras, 2002.

 

5-____________ Filosofia: Série Novo Ensino Médio. Vol. Único. São Paulo: Ática, 2000.

 

6-____________Convite à filosofia. São Paulo: Ática, 2005.

 

7-____________Filosofia: volume único. São Paulo: Ática, 2005.

 

8- CHAUÍ, M.; OLIVEIRA, Pérsio S. Filosofia e Sociologia. Série novo ensino médio. Volume único. 1ª ed. São Paulo: Ática, 2007.

 

9- COTRIM, Gilberto. Fundamentos da Filosofia: história e grandes temas. 15ª ed. Reform. e ampl. São Paulo: Saraiva, 2002.

 

10- CRISÓSTOMO, J. (org.) A filosofia entre nós. Ijuí: Unijuí, 2005. (coleção filosofia e Ensino 8).

 

11- GALLO, S. (Org.); DANELON, Márcio (Org.); CORNELLI, Gabriele (Org.). Ensino de Filosofia: Teoria e Prática. 1ª ed. Ijuí: Editora Unijuí, 2004. Vol. 1.

 

12- GALLO, S. (Org.); KOHAN, Walter Omar (Org.). Filosofia no Ensino Médio. 1ª ed. Petrópolis: Vozes, 2000. Vol. 1.

 

13- JOHNSTON, Derek. História concisa da filosofia: de Sócrates a Derrida. Tradução: Rogério Bettoni. São Paulo, Rosari, 2008.

 

14- MARCONDES, Danilo. Textos básicos de filosofia: dos Pré-Socráticos a Wittgenstein. 3ª ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2000.

 

15- MONDIN, B. Introdução à Filosofia: problemas, sistemas, autores, obras. 12ª ed. São Paulo: Paulus, 2001

 

16- MORRA, Gianfranco. Filosofia para todos. São Paulo: Paulus, 2001.

 

17- PIOVISAN, Américo. (org.). Filosofia e ensino em debate. Ijuí: Ed. Unijuí, 2002 (coleção Filosofia Ensino).

 

18- REALE, Giovanni; ANTISERI, Dario. História da filosofia, vol.7: de Freud à atualidade. São Paulo: Paulus, 2006.

 

19- RODRIGO, Lidia Maria. Filosofia em sala de aula – teoria e prática para o ensino médio. Campinas: Autores Associados, 2009.

 

20- SOLOMON, Robert C. Paixão pelo saber: uma breve história da filosofia. Robert C. Solomon, Kathleen M. Higgins; tradução de Maria Luiza X. A. Borges. – Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2001.

 



 



 



 



 

RESUMOS

 

 

 

 

 

  1. CHAUÍ, Marilena. Convite à filosofia. 12ª ed. São Paulo: Editora Ática, 2002.

 

 

 

Em Convite à Filosofia, a autora começa por uma tentativa de responder a questões iminentes em uma primeira aproximação com a filosofia. Assim, antes da exposição do conteúdo programático para o Ensino Médio, são colocadas questões como “para que filosofia?” e “qual a atitude filosófica?”.

 

Para essa primeira aproximação, Marilena Chauí apresenta pelo menos quatro definições gerais do que seria a Filosofia: 1) como visão de mundo, em que a filosofia corresponderia, de modo vago e geral, ao conjunto de ideias, valores e práticas pelos quais uma sociedade apreende e compreende o mundo e a si mesma, definindo para si o tempo e o espaço, o contingente e o necessário, etc. A autora, porém, rejeita essa definição, pois esta não consegue acerca-se da especificidade do trabalho filosófico. Chauí, então, propõe a verificação de uma segunda definição: 2) a Filosofia como sabedoria de vida. Aqui, ela é identificada com a definição e a ação de algumas pessoas que pensam sobre a vida moral, dedicando-se à contemplação do mundo para aprender com ele a controlar e dirigir suas vidas de modo ético e sábio. Para a autora, essa definição nos diz, de modo vago, o que se espera da Filosofia (a sabedoria interior), mas não o que é e o que faz a filosofia e, por isso, também não podemos aceitá-la. 3) A Filosofia como esforço racional para conceber o Universo como uma totalidade ordenada e dotada de sentido. Nesta definição, começa-se distinguindo entre Filosofia e religião e até mesmo opondo uma a outra, pois ambas possuem o mesmo objeto (compreender o Universo), mas a primeira o faz através do esforço racional, enquanto a outra, por confiança numa revelação divina. Uma das limitações dessa explicação é que a própria Filosofia já não admite que seja possível um sistema de pensamento único que ofereça uma única explicação para o todo da realidade. 4) A quarta definição é a Filosofia como fundamentação teórica e crítica dos conhecimentos e das práticas. Nesta perspectiva, a Filosofia ocupa-se, cada vez mais, com as condições e os princípios do conhecimento que pretenda ser racional e verdadeiro. Essa descrição da atividade filosófica capta a Filosofia como reflexão, análise e crítica, e, além disso, ela é a busca do fundamento e do sentido da realidade em suas múltiplas formas indagando o que são, qual sua permanência e qual a necessidade interna que as transforma em outras.

 

É a partir dessas definições preliminares que a autora começa sua exposição sobre a Filosofia e sobre a história da Filosofia, falando sobre o nascimento da Filosofia, a razão, a verdade, o conhecimento, a lógica, a metafísica, as ciências e o mundo da prática, numa abordagem de fácil acesso para os jovens do Ensino Médio e sem, contudo, se render aos simplismos e reduções dos temas propostos.

 

 

 

  1. MARCONDES, Danilo. Textos básicos de filosofia: dos Pré-Socráticos a Wittgenstein. 3ª ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2000.

 

 

 

Neste volume de introdução dos estudantes à Filosofia, Danilo Marcondes reúne alguns dos textos mais importantes da tradição filosófica, através de uma seleção de textos representativos de cada tradição. Nesses textos, são encontrados alguns argumentos centrais e conceitos-chave formulados pelos filósofos mais influentes dessa tradição. Há uma tentativa de proporcionar um primeiro contato, ou um ponto de partida aos estudantes, com o objetivo de um aprofundamento posterior a partir dos textos originais de cada autor.

 

A estrutura do livro tem a seguinte forma: há primeiramente uma breve apresentação sobre o filósofo selecionado. Cada texto é precedido de uma introdução e um comentário que contextualiza a obra do filósofo e destaca sua importância e temática. Ao final de cada texto, há uma sugestão de questões e temas para discussão relativos ao texto. Os filósofos abordados são: os Pré-Socráticos, Platão, Aristóteles, Santo Agostinho, São Tomás de Aquino, Descartes, Spinoza, Rousseau, Hume, Kant, Hegel, Marx e Engels, Nietzsche, Heidegger, Sartre e Wittgenstein.

 

A partir deste volume, os professores podem trabalhar os principais temas da filosofia, como metafísica, política, estética, racionalismo, empirismo, idealismo, ontologia, etc. Apesar de apresenta-nos textos densos, a proposta didática de introdução, contextualização e comentário dos textos, feita pelo autor, faz deste livro uma excelente obra de apoio às aulas de filosofia para o Ensino Médio.

 

 

 

  1. ARANHA, M. L. A. & MARTINS, M. H. P. Filosofando: introdução à filosofia. 3ª ed. Rev. atual. São Paulo: Moderna, 2003.

 

Este volume está estruturado em seis grandes unidades: o homem e a cultura, lógica, filosofia das ciências, filosofia política, filosofia moral e estética. Os capítulos apresentam um texto básico, seguido de textos complementares de autores representativos de cada tradição, além de questionários e exercícios. Visando à facilitação da aprendizagem dos alunos e do trabalho do professor, este livro contém uma extensa bibliografia, um vocabulário de termos filosóficos, ilustrações e um quadro cronológico.

 

Tendo em vista o desenvolvimento da habilidade de análise e interpretação, Filosofando tem a preocupação de auxiliar os professores nesta tarefa. Cada assunto tem um texto elaborado pelas autoras em linguagem clara e acessível e textos complementares que ajudam a ampliar a reflexão crítica, o que remete o aluno a uma aproximação com os grandes autores.

 

Segundo a concepção de filosofia das autoras do livro, esta disciplina ajuda a promover a passagem do mundo infantil ao mundo adulto e, desta forma, estimula a elaboração do pensamento abstrato. Nesta perspectiva, a condição de amadurecimento é a conquista da autonomia no pensar e no agir, e muitos adultos permanecerão crianças caso não desenvolvam o olhar crítico sobre si mesmo e sobre a realidade que o circunda. Concluímos, pois, que este volume atende de forma exitosa às exigências de um material didático que auxilie os professores do Ensino Médio na árdua tarefa de estímulo dos jovens ao pensamento crítico de sua condição no mundo.