Vamos até o dicionário. Nada mais completo quando não conhecemos uma palavra ou não sabemos o seu significado do que um bom dicionário.

 

Filósofo: Adjetivo. Que cultiva a filosofia. Aquele que vive indiferente às convenções sociais. Dicionário Aurélio – 7ª Ed.

 

Pelos significados que nos dar o dicionário entendemos que o filósofo é aquele que não vive “preso” ao senso comum, possui uma maneira diferente de pensar e também agir.

 

O termo filósofo foi criado por Pitágoras, que significa “amigo do saber” (philósophos). Com isso, Pitágoras dizia que o filósofo não era movido por interesses comerciais ou financeiros, que não coloca o saber como propriedade sua, como uma coisa para ser comprada ou vendida.

 

Não faz das idéias e dos conhecimentos uma habilidade para vencer e sim é movido pelo desejo de observar, contemplar, julgar e avaliar as coisas, as ações, as pessoas, os acontecimentos, a vida; em resumo é movido pelo desejo de saber.

 

O filósofo, então é aquele que realiza um trabalho de reflexão e questionamento crítico de sua realidade e do seu tempo. Para Platão, este trabalho somente poderia ser realizado, por meio da pratica da dialética onde a razão é o principal veículo da produção do pensamento.

 

Platão explicita no dialogo “Fedon”. Sua abordagem dialética apresentando a problemática divisão entre alma e corpo. O papel do filósofo, portanto, é conduzir a esta cisão.

 

 

 

... E dessa separação... os que mais cuidam,

 

e o únicos a fazê-lo, são os filósofos, no sentido

 

verdadeiro do termo...” (PLATÃO, Fédon, p.31)

 

 

 

Platão descreve que durante a sua vida o filósofo deve afastar-se das paixões e desejos corporais, para melhor refletir a cerca de sua realidade. Esta percepção depende necessariamente da prática filosófica, pois a alma deve recordar a pureza das idéias.

 

Em um sentido mais especifico, o filósofo é o metafísico, aquele que busca os primeiros princípios, que investiga o real em sua dimensão mais geral, mais básica, mais abstrata. “Buscar as causas primeiras e os verdadeiros princípios – Descartes.

 

Em uma acepção mais contemporânea, o filósofo é aquele que desenvolve uma reflexão crítica sobre os diferentes elementos que constituem sua experiência e sobre o contexto sociocultural em que vive, examinando seus pressupostos, tendo consciência de seus limites, procurando basear sua ação em princípios racionais.

 

O filósofo é aquele que busca a verdade, mas essa verdade não pertence a ninguém nem é um prêmio conquistado por competição. Ela está diante de todos nós como algo a ser procurado e é encontrada por todos aqueles que a desejarem, que tiverem olhos para vê-la e coragem para buscá-la.

 

Os filósofos questionam os fundamentos e questionando tais fundamentos desenvolvem uma reflexão crítica sobre os diferentes elementos que constituem sua experiência e sobre o contexto sociocultural em que vive.

 

Um filósofo deve sem dúvida procurar a verdade, mas também está interessado em seja o que for que está por detrás dos fatos particulares da experiência, dos pormenores da história; um filósofo deve se ocupar dos significados da linguagem que nós usamos habitualmente e sem pensar, as categorias em função das quais organizamos a nossa experiência. Assim, esse filósofo ou filósofa diria não apenas que procura a verdade, mas que procura as verdades, ou teorias, que expliquem do particular ao universal.

 

 

 

Referências Bibliográficas:

 

 

 

Dicionário básico de filosofia/Hilton Japiassú, Danilo Marcondes – 3ª ed. rev. e ampliada – Rio de Janeiro: Jorge Zahar ED. 1996

 

 

 

CHAUÍ, Marilena. Convite à Filosofia. 6 ed. São Paulo: Àtica, 1995.