Match Point, de 2005, tem com roteirista e diretor Woody Allen, o filme tem duração de 124 minutos, trata-se de um drama-suspense, ambientado na Inglaterra.

O protagonista do filme é Chris, um ex-jogador profissional de tênis, mas não suficientemente talentoso ou perseverante para se destacar em um mundo fortemente competitivo.

Após perceber que não havia condições de se tornar um tenista profissional bem sucedido, Chris arruma um emprego como treinador de tênis. Ele torna-se amigo de Tom, um jovem rico, e este o apresenta a sua irmã, Chloe. Chris ao perceber que Chloe se interessou por ele, constata que esta pode ser uma ótima oportunidade para a sua tão sonhada ascensão social.

Chris conhece logo em seguida, a namorada de Tom, Nola que batalha para se destacar na carreira de atriz, e se apaixona por ela. Algum tempo depois Chris casa com Chloe e tem uma promissora carreira como empresário na empresa do seu sogro.

Após descobrir o término do namoro de Tom e Nola, Chris tenta localizá-la. Ele começa um caso com ela, e Nola engravida, Chris pede a ela que aborte, mas ela rejeita. Esta gravidez acidental está em contraste com a situação entre Chris e Chloe, devido a dificuldade de Chloe engravidar, apesar das tentativas.

Nola exige que Chris fale com Chloe, e ele opta por manter a sua vida confortável com Chloe, e começa a engendrar um plano para matar sua amante.

O plano de Chris era fazer com que a morte de Nola estivesse relacionada com roubo de drogas por algum dependente. Ele pega a espingarda de seu sogro, a desmonta e guarda em sua sacola de jogar tênis, Chris sai do trabalho, fingindo sair para jogar tênis, então, vai até o apartamento de uma senhora idosa e vizinha de Nola, matando-a a sangue frio, e leva as suas medicações e jóias. Em seguida, ele espera por Nola, assassinando-a para dar a impressão de que esta foi morta por ter visto o assassinato de sua vizinha.

Mais tarde, ele joga os bens roubados no rio Tamisa, sendo que a aliança da vizinha de Nola atinge a grade junto ao rio e, em seguida, cai para o pavimento inferior, em vez de cair para o rio como era pretendido. O filme mostra isso como uma analogia à bola de tênis acertando a parte superior da rede, logo no início do filme.

A investigação chega a Chris, ele é chamado à polícia e perguntado se conhecia Nola ele mente dizendo que haviam se visto poucas vezes e há muito tempo. Porém, Chris não contava com o fato de que Nola mantinha um diário onde anotava detalhes de sua relação. Chris acaba confessando o romance, mas pede discrição à polícia por causa do seu casamento. A princípio sua versão convence a polícia, mas ele passa ao rol dos suspeitos.

Um dos investigadores do caso tem todo o esquema dos assassinatos revelado num sonho. Chris matou primeiro a vizinha, roubou os remédios e as jóias para sugerir que fora algum viciado e esperou a amante nas escadas, para dar a impressão de uma morte casual, por ela ter visto o assassino fugindo. O investigador chega à delegacia com esta revelação. Seu companheiro não acredita na possibilidade dos sonhos fazerem revelações, e anuncia a solução do caso: um viciado pegou a aliança que havia caído no pavimento inferior do rio e foi encontrado morto com a aliança, sendo assim, Chris é inocentado, mais uma vez ele é atingido pela sorte.

Embora seja uma possibilidade dentro do jogo, o fato da bola bater na fita da rede é, ao mesmo tempo, algo inesperado, pois altera completamente a direção da bola. Se ela cai no campo do adversário, o ponto vai para o próprio jogador, se cair no seu próprio campo, ele perde, com a sensação de que por pouco poderia ter marcado um ponto a seu favor.

Muitas vezes este ponto é acompanhado por muitos pedidos de desculpas ao adversário. Ele é sentido ou vivido como se fosse um ponto ilegítimo, quase vergonhoso, um ponto que não foi obtido através do esforço e da habilidade, mas fruto do próprio acaso. Esta sensação de ilegitimidade se potencializa ainda mais caso este ponto seja o ponto final da partida. Fazer a bola bater na fita da rede não faz parte, obviamente, do repertório intencional de jogadas do tênis, contudo, é uma possibilidade, um puro acaso que, dependendo do caso, pode ser sorte ou ser azar.

A realidade também é feita de acasos, ou melhor, o acaso é um forte componente do real, das relações e dos efeitos das relações nesse real. E o acaso é sempre imprevisível, podendo trazer alegria ou tristeza.

Neste trabalho, pretendo abordar uma ideia presente no filme: as performances do acaso, e para isto será utilizado como respaldo algumas ideias presentes na filosofia de Nietzsche.

O mundo de acordo com a filosofia nietzschiana não é formado por ordem, estrutura, inteligência e racionalidade, mas ele é todo desordem e irracionalidade. A “filosofia do acaso” se opõe totalmente à teologia, ao passo que seu princípio filosófico não é, portanto, Deus e razão, mas a vida que atua sem objetivo definido, ao acaso, e por isso se está dissolvendo e transformando-se em um constante devir. As coisas, assim, segundo Nietzsche, “dançam nos pés do acaso”.

Somente quem sabe para onde vai sabe, também, que vento é bom e favorável à sua navegação” (NIETZSCHE, 2005, p. 321)1

A passagem supracitada aborda esta questão tão fortemente presente no filme, o personagem Chris esteve totalmente entregue nas mãos do acaso, e este mesmo acaso foi o responsável pelo encaminhamento do percurso de sua vida.

O personagem não demonstrou ter autonomia para perseguir seus verdadeiros objetivos. A liberdade, segundo a filosofia de Nietzsche, significa descobrir-se a si mesmo, sem esperar que as performances do acaso apontem o nosso “destino”.

O “reino” dos acasos é um território onde tudo ocorre sem sentido:

As mãos férreas da necessidade, que agitam o copo de dados do acaso, prosseguem jogando por um tempo infinito: tem de surgir lances que semelham inteiramente a adequação aos fins e a racionalidade. Talvez nossos atos de vontade e nossos fins não sejam outra coisa que tais – e nós somos apenas muito limitados e vaidosos para apreender nossa extrema limitação: a saber, que nós mesmos, em nossas ações mais intencionais, nada fazemos senão jogar o jogo da necessidade. Talvez!” (Nietzsche, 2004, p.100)2

O acaso, o destino e a história em Match Point estão além da moral e da justiça, o assassino Chris foi absolvido pelo acaso, não será punido por ninguém a não ser por ele mesmo, ou seja, pela sua própria consciência. Uma cena do filme mostra isto com clareza, quando após os assassinatos, Chris levanta a noite e vai até a cozinha, encontrando com Nola e sua vizinha, representando, assim, a culpa do personagem.

O filme nos mostra que Chris se divide em dois, um, sofre pela culpa por ter assassinado duas pessoas inocentes, e outro, um oportunista, que se preocupa unicamente com o prestígio social. Chris, pelo que parece, se adapta a essa tensão entre uma consciência moral e uma consciência perversa.

Mas sem se ater a questão da consciência, valores morais, ética, e retornando ao tema analisado, pode-se afirmar que o acaso é, para Nietzsche, um conjunto de coisas humanas, as mais cotidianas. Vem sempre a nosso favor, pois traz o presente, presente no sentido temporal.

Ou ainda, citando Foucault:

Compreender este acaso não como um simples sorteio, mas como o risco sempre renovado da vontade de potência que a todo surgimento do acaso opõe, para controlá-lo, o risco de um acaso ainda maior. De modo que o mundo, tal qual nós o conhecemos, não é essa figura simples onde todos os acontecimentos se apagaram para que se mostrem, pouco a pouco, as características essenciais, o sentido final, o valor primeiro e último; é, ao contrário, uma miríade de acontecimento” (Foucault, 1986, p.28)3

Em suma, de acordo com o pensamento nietzschiano, pode-se dizer que apesar de o acaso determinar muitas coisas, não devemos segui-lo, mas a nós mesmos. Devemos ter a autonomia para construir nosso caminho, pois ele é único para cada um de nós.

Por fim, podemos considerar Match Point como um filme trágico sobre o acaso, ao passo que o trágico afirma a necessidade a partir do acaso e da aleatoriedade. Em Macht Point não há razão, e sim, desordem e a indistinção. O trágico não só afirma a necessidade a partir do acaso, como afirma o próprio acaso. Não só afirma a ordem a partir da desordem, como afirma a própria desordem.

Adaptação para o Ensino Médio

Match Point é um filme sobre o acaso, conta a história de Chris, um ex-jogador profissional de tênis, não muito talentoso para se destacar em seu ramo. Chris arruma um emprego como treinador de tênis. Ele torna-se amigo de Tom, um jovem rico, e daí, conhece sua irmã Chloe, que se interessa por ele. Chris constata que esta pode ser uma ótima oportunidade para a sua tão sonhada ascensão social.

O personagem Chris conhece logo em seguida, a namorada de Tom, Nola e se apaixona por ela. Algum tempo depois Chris casa com Chloe e tem uma promissora carreira como empresário na empresa do seu sogro.

Após descobrir o término do namoro de Tom e Nola, Chris a localiza e eles começam um caso, Nola engravida e exige que Chris fale com Chloe, e ele opta por manter a sua vida confortável com Chloe, e começa a engendrar um plano para matar sua amante.

Chris pega a espingarda de seu sogro vai até o apartamento de uma senhora idosa e vizinha de Nola, matando-a a sangue frio, e leva as suas medicações e jóias. Em seguida, ele espera por Nola, assassinando-a para dar a impressão de que esta foi morta por ter visto o assassinato de sua vizinha.

A investigação chega a Chris, ele é chamado à polícia e perguntado se conhecia Nola ele mente dizendo que haviam se visto poucas vezes e há muito tempo. Porém, Chris não contava com o fato de que Nola mantinha um diário onde anotava detalhes de sua relação. Chris acaba confessando o romance, mas pede discrição à polícia por causa do seu casamento. A princípio sua versão convence a polícia, mas ele passa ao rol dos suspeitos.

Um dos investigadores do caso tem todo o esquema dos assassinatos revelado num sonho. Chris matou primeiro a vizinha, roubou os remédios e as jóias para sugerir que fora algum viciado e esperou a amante nas escadas, para dar a impressão de uma morte casual, por ela ter visto o assassino fugindo. O investigador chega à delegacia com esta revelação. Seu companheiro não acredita na possibilidade dos sonhos fazerem revelações, e anuncia a solução do caso: um viciado pegou a aliança que havia caído no pavimento inferior do rio e foi encontrado morto com a aliança.

Embora seja uma possibilidade dentro do jogo, o fato da bola bater na fita da rede é, ao mesmo tempo, algo inesperado, pois altera completamente a direção da bola. Se ela cai no campo do adversário, o ponto vai para o próprio jogador, se cair no seu próprio campo, ele perde, com a sensação de que por pouco poderia ter marcado um ponto a seu favor.

Para analisar um filme sobre o acaso, nada mais lógico do que fazê-lo sob a ótica do filósofo do devir, o filósofo que diz que a vida é formada por uma série de performances do acaso.

De acordo com a filosofia nietzschiana, o mundo não seria formado por ordem, estrutura, inteligência e racionalidade, como prega a teologia, e alguns filósofos como Platão e Kant, mas ele é todo desordem e irracionalidade.

Podemos perceber em Match Point uma série de acasos que aconteceram na vida de Chris, inicialmente foi trabalhar como professor de tênis de um jovem rico, e daí conheceu sua futura esposa e acabou se destacando em um bom emprego na empresa de seu sogro, neste caso ele teve “sorte”. Posteriormente, engravida sua amante, no entanto, não conseguia engravidar sua própria esposa – “azar”.

Após os assassinatos, quando joga as jóias no rio Tamisa, e a aliança bate na grade e cai no pavimento, fazendo com que um viciado a pegasse e fosse encontrado morto, pode-se dizer que mais uma vez o acaso sorriu para ele, livrando-o da condenação.

Independente da questão ética e moral, já que o personagem é um assassino, o filme aborda acima de tudo esse movimento de acasos. A realidade é feita de acasos, ou seja, ele constitui um forte componente do real, das relações e dos efeitos das relações nesse real, este é sempre imprevisível, podendo ser “sorte” ou “azar”.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

http://pt.wikipedia.org/wiki/Match_Point

FOUCAULT, M. Nietzsche, a genealogia e a história. In: Microfísica do Poder. Rio de Janeiro: Graal, 1986.

NIETZSCHE, F. Assim Falou Zaratustra: um livro para todos e para ninguém. Tradução de Mário da Silva. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2005.

___________ . Aurora: reflexões sobre os preconceitos morais. Tradução de Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2004.

1 Nietzsche, F. Assim Falou Zaratustra: um livro para todos e para ninguém.

2 ________ . Aurora: reflexão sobre os preconceitos morais.

3 Foucault. M. Microfísica do Poder. Nietzsche, a genealogia e a história.