O todo é mais do que a simples soma das partes. Como o nosso campo perceptivo segue determinadas tendências sob a forma de conjuntos estruturados. Vemos o todo. Depois de um tempo, podemos ver os detalhes que fazem parte desse todo.

 

 

 

A GESTALT funda-se na ideia de que o todo é mais do que a simples soma de suas partes. A psicologia da Gestalt desenvolveu estudos fundamentais acerca da percepção humana: relação figura e fundo, tendência em completar figuras, pregnância - quando vemos algo que não sabemos o que é tendemos a localizar no cérebro algo que se pareça com aquilo. Boa forma, etc.

 

 

 

Os sete fundamentos básicos da Gestalt são:

 

1. Continuidade;

 

2. Segregação;

 

3. Semelhança

 

4. Unidade;

 

5. Proximidade;

 

6. Pregnância;

 

7. Fechamento.

 

 

 

Do ponto de vista das teorias do conhecimento, há três concepções principais sobre o papel da percepção:

 

1 – Nas teorias empiristas, a percepção é a única fonte de conhecimento, estando na origem das ideias abstratas formuladas pelo pensamento. Hume, por exemplo, afirma que todo conhecimento é percepção e que existem dois tipos de percepção: as impressões (sensações, emoções e paixões) e as ideias (imagens das impressões).

 

2 – Nas teorias racionalistas intelectualistas, a percepção é considerada não muito confiável para o conhecimento porque depende das condições particulares de quem percebe e está propensa a ilusões, pois frequentemente a imagem percebida não corresponde à realidade do objeto.

 

Para a concepção racionalista intelectualista, o pensamento filosófico e científico deve abandonar os dados da percepção e formular as ideias em relação com o percebido; trata-se de explicar e corrigir a percepção.

 

3 – Na teoria fenomenológica do conhecimento, a percepção é considerada originária e parte principal do conhecimento humano, mas com uma estrutura diferente do pensamento abstrato, que opera com ideias. Qual a diferença? A percepção sempre se realiza por perfis ou perspectivas, isto é, nunca podemos perceber de uma só vez um objeto, pois somente percebemos algumas de suas faces de cada vez; no pensamento, nosso intelecto compreende uma ideia de uma só vez e por inteiro, isto é, captamos a totalidade do sentido de uma ideia de uma só vez, sem precisar examinar cada uma de suas “faces”.

 

Na percepção, nunca podemos ver, de uma só vez, as seis faces de um cubo, pois “perceber um cubo” significa, justamente, nunca vê-lo de uma só vez por inteiro. Ao contrário, quando o geômetra pensa o cubo, ele o pensa como figura de seis lados e, para seu pensamento, as seis faces estão todas presentes simultaneamente.

 

 

 

 

 

 

Bibliografia:

 

CHAUÍ, Marilena. Convite à Filosofia.
http://www.infoescola.com/psicologia/gestalt/